Sobre a Terapia

Porque fazer Terapia?

A ideia de buscar um profissional de saúde mental ainda é acompanhada de muito preconceito na nossa sociedade. Para muitos, ir ao psicólogo é “coisa de maluco”. Para outros, a palavra “terapia” logo evoca a imagem de um profissional anotando coisas em um caderno enquanto você fala sem parar. E com ela, vem o pensamento “Ah, mas eu não vou pagar um profissional só para me ouvir! Meus amigos me escutam de graça!”.

Contudo, essas ideias sobre o que é a psicologia clínica não necessariamente correspondem à realidade. Primeiramente, buscar ajuda devido a um momento de sofrimento não é motivo para vergonha. Na verdade, a maioria das pessoas passam por algum momento em sua vida em que se beneficiariam da ajuda de um profissional treinado.

Além disso, existe uma variedade de profissionais com diferentes linhas teóricas e modos de trabalho, ou seja, fazer terapia não significa necessariamente “só falar”. Assim, cada um pode procurar um profissional que vá de encontro com as suas necessidades.

Como é a Terapia Cognitivo-Comportamental?

A Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) é uma abordagem psicológica que se diferencia por sua prática baseada em evidências, ou seja, ela busca sempre atualizar-se por meio de estudos científicos de modo a aprimorar a prática clínica. Sua eficácia já é comprovada para o tratamento de algumas condições psicológicas, tal como Depressão, Transtorno do Pânico, Transtorno Obsessivo-Compulsivo, Transtorno de Ansiedade Social, entre outros. O trabalho da TCC é orientado pelo pressuposto de que nossos pensamentos, nossas emoções, nossas reações fisiológicas e nossos comportamentos estão interligados de modo que um influencia o outro. Por exemplo, imagine que uma pessoa recebeu um elogio de seu chefe no trabalho.

O que você acha que ela vai sentir? Logo pensamos que ela se sentiu feliz. E isso faz sentido se ela pensou algo como “Nossa! Que bom! Meu trabalho está sendo reconhecido!”. No entanto, se seu pensamento foi “Ele só estava falando isso para me agradar. É mentira”, talvez faça mais sentido ela sentir tristeza. Se seu pensamento foi “Ele está sendo irônico. Na verdade, está zoando comigo!”. Nesse caso, talvez a pessoa sinta raiva. Assim, nós entendemos que a nossa interpretação do mundo afeta como nos sentimos e pode estar relacionada com nosso sofrimento. Além disso, a TCC também trabalha com o pressuposto que as nossas interpretações são influenciadas por conjuntos de ideias que cultivamos sobre nós mesmos, os outros e o mundo com base na nossa história individual. Por exemplo, se uma pessoa foi criada em uma família que ama cachorros, faz sentido que ela crie uma ideia de que cachorros são legais. Já se ela foi criada em um ambiente que classifica cachorros como potencialmente perigosos, chances são que ela terá uma ideia deles como perigosos.

Na prática clínica, paciente e terapeuta trabalham juntos para entender quais fatores estão contribuindo para o seu sofrimento. Para a TCC, o paciente é tão especialista quanto o profissional. Um é especialista no conhecimento teórico e o outro na sua própria experiência. Com isso, é imprescindível um trabalho em conjunto para o tratamento.